Ilú Obá de Min com Juçara Marçal e Fabiana Cozza

Aniversário de SP

Descrição Curta:
Ilú Obá De Min, que significa mãos femininas que tocam os tambores para o rei Xangô, nasce para renovar a tradição, uma vez que nos costumes do candomblé as mulheres não são autorizadas a tocar o instrumento. O grupo procura alimentar uma forte ligação com raízes africanas e que por isso inspirou-se em tradições nigerianas onde a prática é permitida para ambos os sexos.

Classificação Etária: Livre

Theatro Municipal de São Paulo

ver mapaocultar mapa

Dia 25 de janeiro de 2017 às 17:00 - gratuito - retirada de ingressos com 1 hora de antecedência

Preço: Grátis

Endereço: Pça Ramos de Azevedo, s/nº, Centro São Paulo

Descrição

O Bloco Afro Ilú Oba De Min é uma intervenção cultural baseada na preservação de patrimônio imaterial, trazendo para a região urbana a beleza das culturas tradicionais. O trabalho é coordenado pela arte-educadora e musicista Beth Beli, que desenvolve pesquisa sobre matrizes africanas e afro-brasileiras a mais de 20 anos. O trabalho realizado objetiva a inserção de mulheres, crianças e adolescentes nas culturas tradicionais negras e no estudo das influências africanas na cultura brasileira.

A finalidade destes estudos, assim como das oficinas de percussão e dança é apropriar-se da nossa história e recontá-la a partir da memória ancestral existente no Candomblé, no Jongo, no Maracatu, nos Batuques, entre outras expressões genuínas da cultura popular e explorar a diversidade cultural e rítmica da música brasileira advindas do legado deixado por ancestrais africanos.

A repercussão do projeto desenvolvido a 11 anos na metrópole atraiu no carnaval de 2016 público em torno de 20.000 pessoas, algumas vindas de outros municípios e estados especialmente para esta manifestação.

O projeto Bloco Afro Ilú Obá De Min com sua proposta inovadora e única na metrópole de São Paulo tornou-se referência étnico-cultural e educativa, tendo sido premiado pelo Prêmio Culturas Populares Mestre Humberto Maracanã 2008 – SID/MINC ao lado de grandes iniciativas culturais brasileiras, com o Prêmio Governador do Estado 2013, Prêmio Brasil Criativo 2014, Prêmio Africa-Brasil 2015, Prêmio Jovens do Axé 2015, foi convidado no período do carnaval para apresentações no Carnaval de Blocos de Rua do Rio de Janeiro e Rio Bonito, Abertura do Carnaval de Santos, Sesc Bertioga, Sesc Pinheiros, SESC Santo André, Sesc Santo Amaro, Carnaval de Itapecerica da Serra.

A 6 anos participa das Viradas Culturais do Estado de São Paulo, integrou o elenco do roteiro 11 do Circuito Sesc de Artes 2014, tendo realizado mais de 300 apresentações por todo o Brasil.